quarta-feira, 12 de novembro de 2008

CEIA DO SENHOR E HERESIAS

CEIA DO SENHOR E HERESIAS.
PR TIMOFEI DIACOV


No mesmo capitulo 11 de I Corintios, onde Paulo procura doutrinar como se deve celebrar a Ceia do Senhor, diz: “Importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem”. Assim que mudamos para Cafelândia, sentimos a falta da Escola Bíblica Dominical, pela manhã, pois, a igreja local realiza a escola à noite. Não querendo passar o dia todo sem estar na igreja, passamos a visitar varias igrejas chamadas evangélicas. E a primeira que visitamos, estava celebrando a Ceia do Senhor, sem ter lido o texto alusivo ao assunto, o ministrante distribuiu o pão e o cálice, sem nenhuma explicação disse: “Comamos a carne do Senhor, e bebamos o seu sangue”. Não sei de onde tiraram esta idéia: da Bíblia que não foi, uma vez que ela ensina que é um ato memorial. No domingo seguinte, visitamos uma outra igreja, e ouvimos as mesmas heresias; e imaginamos: “Meu Deus! Este povo não estuda a Bíblia; e esta é mais uma das razões porque surgem tantas heresias; e isto no meio do povo chamado evangélico”.

Há poucos dias, estando com o televisor ligado a um programa também chamado evangélico, de grande audiência, ouvimos do seu dirigente o seguinte: “Na próxima semana, iremos celebrar a santa ceia, ocasião em que iremos comer a carne de Jesus e beber o sangue Dele”. Ficamos lamentando a perda de oportunidade para celebrando a ceia, relembrar a morte do Senhor Jesus. Que bela oportunidade seria narrar o sofrimento e a morte do Senhor! Para nós, particularmente, este é um dos mais importantes assuntos do Novo Testamento, de proclamar o Evangelho; é o momento mais sublime, pois estamos anunciando a conquista de nossa salvação através do sofrimento e morte do Senhor. Visitando uma outra igreja, em uma outra cidade, verificamos que também era a hora da celebração da Ceia do Senhor. O seu ministro também não leu nenhum texto bíblico; e pediu a um dos membros que orasse; o qual disse: “Senhor, quando este pão cair em nosso estomago, produza saúde para todos nós em nome de Jesus amém”.

Não se espantem distintos leitores, este outro caso que vamos-lhes contar, se deu numa igreja Batista, e que aconteceu, quase identicamente: também não houve explicação nem leitura bíblica! Será que no seminário não foi estudado a eclesiologia? Que fazem os mestres nos seminários, que não esclarecem os seus alunos, futuros pastores? Ou será que certos pastores não dão muito importância à Celebração da Ceia do Senhor? Paulo diz que: “Os que são sinceros se manifestem”. E que “Se alguém come indignamente o pão, e bebe indignamente o cálice do Senhor, também será culpado do Seu corpo e do Seu sangue (da morte do Senhor)”. É preciso praticar este mandamento com o sentimento e reviver àquela hora pela qual passou o Senhor.

Perguntamos: por que toda essa frieza e indiferença? Até parece que consideram a morte expiatória de Jesus, um assunto de pouca importância, ou de nenhum significado. Um outro assunto, em uma outra denominação, foi ministrado o batismo infantil, pelo seu dirigente, sem o fundamentar na Bíblia, e sem dar explicação do seu sentido. Diante destes fatos ficamos estarrecidos. Será que essa gente não lê a Bíblia? Ou por ventura faremos uma campanha para comprar Bíblias e dar-lhes de presente? Que Deus tenha misericórdia e nos dê consciência clara de que somos especialistas em Bíblia; e que é o livro que deve ser lido, conhecido e, ensinado ao povo de Deus.

2 comentários:

alvesnisc disse...

Sobre a Ceia.
Amado pastor, sou evangélico membro da Assembléia de Deus, e me permita faser um comentário. O que o Senhor Jesus estava comemorando era na verdade a páscoa judaica Mc14.12, um mandamento dado pelo eterno Ex 12.10 sendo composto de carne de cordeiro, pão sem fermento (ázimo), e ervas amargas, Ex 12.8, como lembrança da saída da escravidão do Egito em direção a terra prometida, o sangue do cordeiro imolado seria aspergido na entrada das casas para que não houvesse mortandade junto ao povo judeu, Ex12.13. Agora com Cristo Jesus (Yeshua ha mashia)com a entrada dos judeus na terra prometida e a edificação do templo para sacrifícios o sangue aspergido passou a ser simbolisado pelo vinho (como ainda hoje o é entre os judeus) nos dois anos anteriores o Senhor Senhor Jesus assim celebrou a páscoa, no entanto a nova e eterna aliança, começaria não mais com sacrifício de um cordeiro por parte do sacerdote e sim pelo própio "Jo 1.29" em resumo o matzá (pão ázimo) represnteva o sofrimento de cristo o vinho o sangue aspergido, que nos livraria do mal, o Senhor Jesus agora dizia aos discípulos quando comemorarem a páscoa(e não a ceia)lembrem-se de que os tirei do egito (pecado) em que estavam. Então na (nossa) ceia, comemos do pão e bebemos do vinho, lembrando do sacrifício do Senhor Jesus.

Discípulo disse...

Tomando como exemplo o Evangelho de Lucas, o autor descreve as palavras de Jesus durante a ceia: “E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.”
(Lucas 22:19)
"Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós."
(Lucas 22:20)
Comparando essa versão com a do Apostolo Paulo em ICorintos 11, podemos chegar a conclusão de que a instituição da ceia é um memorial respeitado pela Igreja primitiva, e não devia ser feita somente na pascoa mas em todas as vezes que estes se encontravam para relembrar o sacrifício da nova aliança.
O pão segundo a Bíblia significa alimento, o corpo de Cristo é o alimento verdadeiro que dá a vida eterna, este alimento foi partido na cruz cumprindo a profecia de Isaías 53, por isso devemos lembrar que o pão não somente "simboliza" o corpo de Jesus mas também a cura de todas as enfermidades segundo o descrito em Isaías 53, o pão partido, o corpo partido na cruz. Ora, a maior enfermidade é o pecado, somos curados desta enfermidade mediante a fé em Jesus.
O suco de uva, é o fruto da videira; Jesus disse eu sou a videira verdadeira e vocês são os ramos. O suco de uva simboliza o sangue de Jesus derramado na cruz, o vinho sagrado que nos traz o prazer e a alegria verdadeira, a alegria da salvação. Esse sangue é que nos liberta e nos lava de toda a transgressão, que é fruto da nossa desobediência. Portanto assim como o pão o vinho, ou suco de uva é uma "simbologia" do sangue derramado a favor da nossa libertação verdadeira em Cristo.
Concluindo a ceia é mais que liturgia, é um memorial, e tanto isso é verdade que cada vez que a Igreja primitiva se reunia para confraternizações o pão era partido em memória do sacrifício perfeito da nova aliança.
A paz a todos irmão Saul Motta.